A Terra diz Olá!

fevereiro 15, 2020


Sempre ando vindo aqui de tempos em tempos, né? Acho que eu não consigo deixar esse blog morrer totalmente, porque ele já foi algo extremamente importante na minha vida anos atrás. Às vezes eu realmente penso em voltar para cá, mas acho que o foco da minha vida mudou o bastante para não conseguir mais ficar muito tempo aqui, sabe? Antes eu postava por gostar de ter contato com outras pessoas, por isso eu fui super ativa por alguns [poucos] meses. Se eu voltasse, seria talvez algo como uma maneira de respirar um pouco de ar livre. Meus pensamentos, obviamente, mudaram bastante ao longo destes quase quatro anos, e é chocante pensar que realmente faz tanto tempo assim porque ainda lembro de tudo como se fosse ontem. Eu criei esse blog com o objetivo de ser uma distração, um modo de fugir um pouco do mundo por alguns minutinhos. Mas sempre precisamos acordar para a realidade... certo? Na época eu estava no meu sétimo ou oitavo ano do ensino fundamental, e hoje eu já estou prestes a terminar o ensino médio, e sinto que minha cabeça está mais bagunçada do que nunca; o que é certo ou errado? O que é preto ou branco? A vida é mais complexa do que nós sequer podemos imaginar, né? A vida pode mudar totalmente ao mesmo tempo que uma gota d'água cai no chão; não temos controle de nada, por mais que nos iludamos por tanto tempo achando que estamos no total controle. Sigo no mesmo clichê de posts soltos que venho postando há algum tempo e acabo apagando sobre como o tempo passa rápido. Toda vez que volto aqui eu sinto que minha vida mudou completamente desde a última vez, desde o ano anterior. É irônico pensar que eu realmente fazia cartas de amor a garotos aqui, quando poucos anos depois eu acabo me descobrindo lésbica. Pensar que eu já fiz tantos textos de motivação aqui quando eu não sabia que o buraco era tão mais profundo. Mas acredito que tudo isso seja normal, ao passar dos anos, nossos pensamentos mudam, podem amadurecer, ou não. São diversas possibilidades que o universo nos reserva e infinitas chances de tudo mudar com um só passo.

Neste meio tempo, eu também parei para pesquisar mais sobre o feminismo radical. Eu nunca tinha sido alguém que ligou para feminismo, pois eu pensava, como muita gente ainda pensa: ah, mas quais direitos ainda nos faltam? Nós temos direito a voto, nós temos nossa liberdade, nós temos a chance de entrar no mercado de trabalho. Mas a opressão contra nós, mulheres, nunca acabou. Nós só não conseguimos ver isso, pois os homens a cada dia, encontram formas de nos oprimir indiretamente. Pesquisar aprofundadamente sobre vertentes feministas me libertou de um jeito que eu pensei que nunca fosse possível: eu consegui aceitar melhor a minha própria sexualidade, para começo de conversa. Consegui me libertar das garras da feminilidade, pois eu nunca fui alguém de gostar de ser tão "feminina", houve tempos que eu até mesmo me senti menos mulher do que eu sou apenas por não performar tanta feminilidade como as pessoas ao meu redor. A feminilidade não é algo que nos define como mulher, e sim uma ferramenta do patriarcado para nos inferiorizar e nos manipular ainda mais. Eu me senti mais livre do que nunca em saber que eu não era a única a pensar assim.

Nesses anos, também tive diversos problemas psicológicos, diversos problemas internos, ao ponto que eu realmente cheguei ao fundo do poço. E o pior de tudo era não ter ninguém para me ajudar a sair do buraco que eu mesma criei e me joguei, e até hoje eu não sei como consegui me reerguer sozinha. Eu ainda lido com todas essas coisas diariamente, mas eu já consigo lidar melhor com tudo. Tive problemas também com minha própria personalidade: eu simplesmente não conseguia me aceitar como era e tentava a qualquer custo impressionar e agradar todos ao meu redor, e isso me levou a me perder dentro de mim mesma, e eu ainda estou lutando para me reencontrar.

Este texto ficou mais grande do que eu realmente estava planejando, e eu não sei ao certo qual é minha intenção ao escrever isso, acho que apenas bateu uma saudade de verdade daqui e ter um cantinho para desabafar, mesmo que ninguém nunca vá perder tempo lendo isso aqui. Mas, bom, é isso.

  • Share:

You Might Also Like

0 comentários